Nossa Radio AO VIVO

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Micrurus altirostris (Cope 1860).


Semana passada fui chamado até a Secretaria Municipal de Saúde, localizada no segundo piso do posto de Saúde do município de Mata, para identificar uma serpente que havia entrado na unidade móvel de saúde quando esta estava atendendo pacientes em outro ponto do município. Quando cheguei lá encontrei uma coral verdadeira que se encontrava morta e dentro de um recipiente com água. Logo de cara reconheci o animal e sabendo que se trata de uma espécie peçonhenta e de muita incidência em nosso municipio resolvi escrever algumas coisas sobre esta aqui neste espaço que o amigo Elton me cedeu para melhor informar o povo matense.
Micrurus altirostris (Cope 1860)
As corais verdadeiras são serpentes do gênero Micrurus e pertencem a família Elapidae. Esta família encontra-se amplamente distribuída ao redor do mundo, com aproximadamente 280 espécies (Lema, 2002), tendo como exemplo, as najas asiáticas e africanas e as mambas da Africa e as taipans e cobras marrons da australia. Nas Américas, a família Elapidae é representada pelos gêneros Micrurus, Micruroides e Leptomicrurus (Campbell e Lamar, 1989). No Brasil, as serpentes corais (Micrurus spp) estão distribuídas por todo o território nacional.
A família Elapidae é composta por serpentes dotadas de um aparelho inoculador do tipo proteróglifo. Neste tipo de dentição, as presas são fixas e estão na parte anterior do maxilar superior. São conectadas com a glândula venenosa geralmente com canal de veneno não completamente fechado, de forma a parecer um sulco na presa. Para injetar o veneno tem de morder diferentemente das viperideas que bastam picar.
As peçonhas elapídicas caracterizam-se por apresentar elevada toxicidade, em geral bastante superior à das serpentes da família Viperidae. Causam paralisia flácida, podendo levar a óbito por paralisia respiratória (Russel, 1983). Os venenos de serpentes do gênero Micrurus exercem pequena atividade proteolítica, não provocam hemorragias, e não coagulam o plasma sangüíneo, como muitas das peçonhas das representantes viperidicas (Vital Brazil, 1980).
As peçonhas elapídicas agem sobre a transmissão neuromuscular onde ocorre paralisia motora e respiratória. A alta toxicidade e o efeito bloqueador neuromuscular dessas peçonhas são devidos às neurotoxinas que se combinam com os receptores colinérgicos da placa terminal, semelhantemente ao curare Strychnos toxifera, (também conhecida como estricnina) sem promover a despolarização da membrana sub-sináptica da fibra muscular.
As serpentes corais são os principais representantes da família Elapidae nas Américas, sendo Micrurus o gênero de maior importância do ponto de vista médico (Warrel et al., 2004). A cauda curta e roliça dá nome ao gênero Micrurus (do grego, pequena cauda)
As serpentes desse gênero apresentam a cabeça oval recoberta por grandes placas simétricas e não apresentam fossetas loreais, como na família viperídae. Os olhos são pequenos e pretos, quase sempre localizados em uma faixa preta da cabeça, com pupila elíptica vertical. O corpo é cilíndrico, recoberto de escamas lisas e com anéis de cores vivas e contrastantes – vermelho, amarelo (ou branco) e preto, dispostos em tríades. São animais fossoriais  ou semifossoriais, vindo eventualmente à superfície para alimentar-se ou para acasalar (Melgarejo, 2003).
Envenenamento por serpentes do gênero Micrurus no Brasil é relativamente raro (0,6%), com um coeficiente de letalidade de 0,36% (Ministério da Saúde, 1998), entretanto, é considerado grave, em virtude da alta toxicidade dos venenos.
A baixa incidência de acidentes humanos por serpentes corais pode ser explicada pela pequena abertura da boca que é em torno de 30º e pelo pequeno tamanho das presas inoculadoras (2,5 mm em uma coral de 90 cm). A injeção superficial do veneno pode ser compensada pelo hábito de morder sem soltar, o que aumenta a probabilidade e o tempo de inoculação do veneno. As manifestações clínicas locais costumam ser discretas (Jorge da Silva Jr. e Bucaretchi, 2003).
Os venenos das serpentes do gênero Micrurus induzem predominantemente efeitos neurológicos, mediados por neurotoxinas pré e pós-sinápticas. O sintoma mais característico é a paralisia de músculos, como os intercostais e o diafragma, que resulta em insuficiência respiratória. O progressivo bloqueio neuromuscular, provocado pelo veneno, provoca dor e parestesia. A ausência de tratamento clínico adequado pode levar à morte.
A coral que me foi apresentada M. altirostris é uma espécie própria das terras baixas do Uruguai e Rio Grande do Sul, entrando a nordeste da argentina. É bastante abundante na sua área de ocorrência. Apresenta cabeça preta cortada por anéis creme, com uma figura negra em forma de borboleta (já encontrei cabeça preta com figura vermelha que é raro), sobre os escudos parietais; no tronco os anéis vermelhos são estreitos, com anéis negros largos intercalados de creme que também são estreitos. Vivem em troncos podres, formigueiros, tocas no chão. Costumam aparecer em dias quentes pela manhã, quando o sol esta esquentando a terra, diminuindo sua freqüência à tarde. São ofiófagas, alimentam-se também de anfisbenas e sáurios. Não mordem pessoas a não ser quando pisadas ou pegas e pressionadas. Quando se sentem ameaçada estacam de repente, erguem a cola em forma de argola, escondem a cabeça debaixo do corpo e vão mudando bruscamente de posição ate que os inimigos se afastem. No caso de ser um espécime macho poderá ocorrer de o mesmo fazer a eversao de um dos hemipenis que são espinhosos o que explica a crença de que a coral verdadeira  ferroa com a cauda. Os ovos são alongados e soltos, são postos em pequeno numero; segundo Vaz-Ferreira et al (1970) desova dentro de formigueiros do gênero Acromyrmex chocando na galeria debaixo das plantações de fungos das formigas que tem temperaturas mais altas e constantes. Das corais encontradas no estado Micrurus altirosris é que possui veneno mais ativo. Pois Abreu (2008) concluiu que Micrurus altirostris apresentou maior potência de letalidade em camundongos, em comparação com a letalidade provocada pelo veneno de outras serpentes do gênero Micrurus, com dose letal (DL50) de 0,255 mg/kg, i.p. Os venenos de M. frontalis (DL50 0,965 mg/kg, i.p., Moraes et al., 2003) e de M. corallinus (DL50 0,355 mg/kg, i.p., Higashi et al., 1995).
Abreu V.A. de 2008. Estudo da ação do veneno bruto de Micrurus altirostris (cobra uruguaiana) sobre a junção neuromuscular e da capacidade de neutralização do antiveneno comercial e do anti-soro específico /Valdemir Aparecido de Abreu. Campinas, SP Tese de Doutorado apresentada à Pós-Graduação da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas para a obtenção do título de Doutor em Farmacologia
Campbell JA, Lamar WW. The venomous reptiles of Latin America. NY Cornell University Press: Ithaca, 1989:425.
Higashi HG, Guidolin R, Caricati CP, Fernandes I, Marcelino JR, Morais JF, Yamagushi IK, Stephano MA, Dias-da-Silva W, Takehara HA. Antigenic cross-reactivity among components of Brazilian Elapidae snake venoms. Braz J Med Biol Res 1995; 28:767-771.
Jorge da Silva Jr. N, Bucaretchi F. Mecanismo de ação do veneno elapídico e aspectos clínicos dos acidentes. In: Cardoso JLC, França FOS, Wen FH, Málaque CMS, Haddad Jr. V, eds. Animais peçonhentos no Brasil: Biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. São Paulo: Sarvier/FAPESP, 2003:99-107.
Lema, T. 2002. Répteis recentes do Rio Grande do Sul. In: Lema, T. de (org.). Os répteis do Rio Grande do Sul: atuais e fósseis - biogeografia - ofidismo. Porto Alegre, EDIPUCRS. p. 35-91.
Melgarejo AR. Serpentes peçonhentas do Brasil. In: Cardoso JLC, França FOS, Wen FH, Málaque CMS, Haddad Jr. V, eds. Animais Peçonhentos no Brasil: Biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. São Paulo: Sarvier/FAPESP, 2003:33-61.
Ministério da Saúde do Brasil. Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. Brasília, DF: Fundação Nacional de Saúde, 1998.
Moraes FV, Sousa-e-Silva MV, Barbaro KC, Leitão MA, Furtado MF. Biological and immunochemical characterization of Micrurus altirostris venom and serum neutralization of its toxic activities. Toxicon 2003; 41:71-79.
Russell FE. Snake venom poisoning. New York: Scholium, 1983.
Vaz-Ferreira, R.; Zolessi, L. C. & Achaval, F. 1970. Oviposicion y desarrollo de ofidios y lacertilios en hormigueros de Acromyrmex.Physis, 29(79):431-459.
Vital Brazil O. Venenos ofídicos neurotóxicos. Rev Ass Med Brasil 1980; 28:212-18.
Warrell, DA. Snakebites in Central and South America: epidemiology, clinical features and clinical management. In Venomous Reptiles of the Western Hemisphere, eds Campbell, JA & Lamar, WW. Ithaca: Comstock Publishing Associates/Cornell University Press 2004; 2:709-761.
Alessandro Figliero de David
Biólogo Esp. Biologia da Conservação e Tecnologias Ambientais
CRBIO 88007/03-D